A algum tempo atrás eu li um artigo sobre a contaminação que a mídia em geral inflige em nossa vida. Tudo bem, li, processei e aquilo ficou na minha cabeça. Avaliando com mais calma, descobri que o autor estava com toda a razão.

A maioria das vezes temos a impressão que estamos nos informando, vendo o que acontece no país e no mundo, as informações do mundo financeiro, político, etc… Prestando um pouco mais de atenção no conteúdo das informações, descobri que realmente são nos apresentadas de uma maneira nociva, depressiva, negativa. Então fiz a opção de ficar um tempo sem ver noticiários e ler jornais e revistas. E, pasmem, a minha vida melhorou muito. Deixei de pensar em crises, alta do dólar, inflação, violência, etc.  Passei a focar mais nas cosias boas da minha vida, nas minhas metas  e no trabalho.

E daí você me pergunta: mas não vamos mais ficar informados ? Informados sim, mas não inundados com essa enxurrada de más notícias que a mídia derrama em cima da gente todos os momentos.  Fiz uma pesquisa e dividi essa contaminação por áreas:

Noticiários, jornais e revistas: cada dia mais violentos e explícitos com a tragédia das pessoas. Não existe mais respeito e muito menos privacidade. E não falo só dos jornais especializados em violência pura, mas parece que quanto mais sangue, mais audiência. Depois, obviamente, a corrupção. Milhões descaradamente roubados, desviados. Depois desemprego, milhões desempregados, dívidas, necessidades, desespero. Lágrimas reais no horário nobre. Não há animação que aguente esse bombardeio.

Internet e redes sociais: tudo isso aí em cima “on demand”. Para ver, ler e ouvir a hora que quiser, sem censura nenhuma, em qualquer lugar pelo celular. Oportunistas usam as redes sociais para disseminar mentiras, ou notícias “fake”, como costumam chamar. Espere, se é fake não é mentirosa ? Enfim… Intermináveis discussões, ânimos exaltados, ofensas de todos os tipos. Pelo menos nas redes sociais todos são lindos e felizes, têm relacionamentos sérios, estáveis e maravilhosos, sempre viajam para a praia e para todos os lugares do mundo, ganham muito dinheiro. Nem parecem pessoas de verdade. Ou seriam apenas fakes ? E para encerrar, os aplicativos de troca de mensagens, tipo WhatsApp. Horas e horas de vídeos bacaninhas, legais, divertidos, religiosos . Nem vou falar dos pornográficos e dos áudios. Muito tempo perdido pra nada. Some o tempo de tudo isso que você recebe e descubra quanto tempo do seu dia você desperdiça vendo essas coisas.

Músicas, filmes e novelas:  precisa falar ? Palavrões e mais palavrões, em qualquer horário. Músicas quase pornográficas, exaltação ao corpo, ao sexo e a comportamentos questionáveis. Nas telenovelas o que existe de pior no ser humano é colocado como sendo louvável e que deve ser copiado, com a desculpa de ser um debate social.  Nos filmes, quanto mais violência melhor. Efeitos especiais aos montes, roteiros quase infantis, dublagens barulhentas e mal feitas e, obviamente, toneladas de violência. Blockbusters da ignorância.

Não existe motivação que resista a esse bombardeio de pessimismo. Nem o mais motivado dos vendedores consegue atingir as suas metas depois de alguns minutos na frente da televisão. Nossa motivação é totalmente corroída por essas notícias, ou pela forma que elas nos são apresentadas.

Ao mesmo tempo, nesses mesmos lugares, TV, revistas, Internet, também podemos encontrar conteúdos positivos, motivadores, que vão somar conhecimento às nossas vidas e ao nosso trabalho. Basta procurar um pouco e vai encontrar muita coisa bacana, oposta ao que a mídia derrama em cima da gente todos os dias.

Deixo aqui a minha pergunta: o que contamina você ?

 

Fernando Zavarelli

 

Comentários do Facebook

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *